04/02/2009

Muricy Ramalho e seu Mau humor !

Amigo torcedor...


Já está passando dos limites e ficando sem graça as entrevistas coletivas do técnico Muricy Ramalho do São Paulo F.C. principalmente após seu time perder uma partida.

Começa que ele demora cerca de uma hora pós partida para atender a imprensa que pacientemente fica aguardando na sala, num total desrespeito não só a nós profissionais que somos, como aos ouvintes e telespectadores que ficam irritados querendo saber as declarações do muitas vezes monosilábico treinanor.

Vai chegar uma hora que alguem vai perder a paciência e tratá-lo da mesma maneira, onde tenho certeza, estará armada uma grande confusão.

Chegou o momento da assessoria de imprensa do tricolor que é brilhantemente comandada por Juca Pacheco conversar com o treinador e dize-lhe algumas "coisas" de como se deve reagir em determinadas situações, principalmente em casos de resultados negativos.

Sei muito bem que existe o mau humorado, o ranzinza, o chato, o tambem mala, e o mal educado, que está sendo o caso do treinador São Paulino. E quem trata com má educação está pedindo para ser tratado da mesma maneira.

Não me venha com essa que é bacana ver o jeitão meio brega e simplório do Muricy que isso não cola de jeito nenhum e não combina com tudo aquilo que aprendi na vida para saber que respeito se faz necessário e cabe em qualquer lugar e nunca sai da moda.

Olha que um ditado diz o seguinte : "chumbo trocado não dói"
Isso está prestes a acontecer porque se de um lado existe uma pessoa que está com problemas, dependendo da situação, ela pode "criar" um problema para várias pessoas que terão o direito de tratá-la da mesma maneira e aí está criado o tumulto.

Se Muricy tem obrigação para com os patrocinadores de conceder entrevistas coletivas, que se prepare melhor para as mesmas e não venha pautar a imprensa como vem fazendo á tempos.

Juca Pacheco tem de fazê-lo entender que existem profissionais de rádio, tv, jornais e que perguntas repetitivas é simplesmente porque uns estão ao vivo e outros estarão ao vivo assim que possível, de acordo com a situação de cada veículo de comunicação.

Por exemplo : geralmente a tv é a primeira a ser atendida onde 3 ou 5 perguntas são feitas certo?
Aí vem as rádios com várias emissoras e novamente perguntas que já foram respondidas serão questionadas pelos profissionáis e pronto... lá vem porrada e mau humor.

Calma Muricy, calma que um dia voce tambem iniciou a carreira e sabe como é difícil, assim como para quem está começando e sendo cobrado por quem o paga para fazer seu trabalho bem feito.

Se voce pretende um dia comandar a seleção brasileira, está indo pelo caminho errado e na contra mão dos seus desejos a começar pelo tratamento com a imprensa.

Dunga teve de ser enquadrado no esquema e quase perdeu seu valoroso cargo pelo mesmo motivo.
Já voce, tem gente que vai fritá-lo antes mesmo de chegar, se é que pretende.

Quem avisa, amigo é, portanto acorda enquanto é tempo.



Um grande abraço e até a próxima.

Um comentário:

fernanda disse...

Se reprovam o comportamento do treinador por faltar com educação ao responder o que um determinado jornalista achou importante perguntar, por outro lado acatam a postura da emissora como correta. A imprensa está sendo corporativista, em nenhum momento teve coragem de dizer que a reação da emissora foi desproporcional e demasiada em relação ao acontecido.
E em particular sobre oq ue foi postado nesse espaço acho bastante contraditório dizer que o ouvinte e/ou espectador é livre para mudar de estação. O mesmo deveria valer para os jornalistas, se não querem aturar o mal humor de um profissional em um dia que as coisas deram erradas que vá cobrir receitas de culinária onde é possível se prevenir das agruras da profissão.

O boicote as entrevistas coletivas do São Paulo não resultará em nada, parece castigo de pai que perde o controle com o filho. Como ambos são adultos deveriam resolver seus problemas no campo das idéias, conversando. Lamentável essas melindres de profissionais que, quando bem formados estão preparados para trabalhar sob pressão, que acontecem para os dois lados.

As duas instituições envolvidas, SPFC e ESPN, perdem com as postura unilateral da emissora de televisão. A marca que o time construiu e que é bem administrada atualmente precisa dos meios de comunicação para aparecer. Mas a torcida tricolor e os fanáticos por futebol não ficarão reféns do anunciado boicote. A torcida do São Paulo não depende da imprensa oficial do país para ser informada sobre o clube. Talves há 10 anos atrás precisaria, mas hoje, no ano de 2009 não. Essa é mais uma hipocrisia que a imprensa forja para se legitimar, como se a informação, tal qual ela existe não fosse o suficiente.